terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

A importância do treino

Para muitos treinar é um sacrifício. Para outros um prazer.
Deveria ser um sacrifício prazeroso.
Trocando em miúdos. O treino deve ser um sacrifício, porque vamos com a vontade de nos entregarmos totalmente nas mãos dos nossos treinadores, sabendo que eles vão exigir de nós o nosso limite, repetindo sempre que o nosso limite não existe. Nós podemos sempre melhorar de treino para treino, com o objectivo de que as nossas performances sejam melhores de semana para semana. Prazeroso, porque é uma coisa que nos vai permitir fazer aquilo que nós mais gostamos, jogar a bola.
Digo jogar a bola, porque algumas "mentes iluminadas" não se permitem aprender para poder exercer a boa prática do futebol. A diferença principal entre os atletas que estão a jogar nas divisões Distritais, para aqueles que estão disputando as provas Nacionais, é a mentalidade que têm para o treino.
Um bom treino, não implica ser de muito tempo. Um treino de 1h, pode ser suficiente para se estar em condições de praticar um bom Futebol no fim de semana. Se a intensidade e entrega dos jogadores for a melhor; se responderem aos estímulos dados pelos treinadores, no próximo treino, serão melhores jogadores que eram ontem. E assim sucessivamente. Se a minha disponibilidade para treinar, só for quando o treino envolve o jogo em si, nunca ou raras vezes estarei disponível para evoluir.
Estudos e os métodos de treino das grandes equipas do futebol mundial, provam e demonstram que no futebol moderno, realizam-se e efectuam-se praticamente todos os treinos nos chamados "jogos reduzidos". Se em campo reduzido consigo resolver todos os problemas criados pelo meu treinador e pelos meus colegas, quando o tamanho do campo aumentar, tudo se irá tornar mais fácil. Agora, se em campo "curto" não consigo, nem estou interessado em conseguir resolver os problemas, quando o campo "crescer" as minhas dificuldades vão ser enormes.
Pego em um exemplo. O nome Cristiano Ronaldo, diz alguma coisa?
Foi eleito em 2009 como melhor jogador do Mundo pela revista L'Equipe e foi eleito como FIFA WORLD PLAYER 2009. Jogava no Man Utd, hoje está no Real Madrid com a transferência mais cara do futebol Mundial (94 milhões de euros). Apesar de tudo e de todos os erros que possa cometer, não vive a sombra das coisas que já conquistou. Por isso, é o primeiro a chegar ao treino, não tem sinais de "vedeta" durante os treinos e é o ultimo a sair do treino. Isto é tudo uma questão de mentalidade e de vontade. Jogadores com esta mentalidade juntando a qualidade intrínseca que têm e aos conhecimentos adquiridos fazem deles jogadores de nível acima da média.
Assim, se querem ser jogadores acima da média, a primeira coisa que deve fazer é aplicarem-se nos treinos para aprenderem e evoluírem. Este é o primeiro grande passo para se ser alguém no Futebol.

Jornada 25


Conseguimos mandar em casa, mas nem por isso fizemos um jogo brilhante

por Prof. João Baía

A equipa do Sport Clube Senhora da Hora entrou em campo contra o Oliveira do Douro num sistema táctico de 1-4-4-2, que se manteve até ao final do jogo.
Foi um jogo em que a qualidade de ambas as equipas não existiu em primazia, mas onde o SCSH conseguiu sempre ser superior.
A 1ª parte caracterizou-se por ser pouco intensa, onde a equipa do Oliveira do Douro não atacou com perigo e a equipa do SCSH desenvolveu alguns lances que podiam dar golo, atrapalhando o “atrapalhado” guarda-redes do Oliveira do Douro.
Podemos também dizer que ambas as equipas tiveram como seu sector mais forte o quarteto defensivo que não inventou muito na 1ª metade do jogo e talvez dai o resultado ser de 0-0 ao intervalo.

Intervalo

Logo a abrir o 2º tempo o capitão Baptista inaugurou o marcador aproveitando uma defesa incompleta do guarda-redes gaiense.
Depois disto o jogo pecou novamente pela qualidade, onde a equipa local, apesar de tudo, foi sempre superior e sobretudo cautelosa, podendo também ampliar a vantagem em algumas situações.
Melhor jogador em campo da nossa equipa foi o defesa lateral esquerdo, Diogo, que denotou melhorias na sua eficácia defensiva e no seu rendimento físico, fruto do seu bom empenho nos treinos. Estas melhorias, podem se estender por todo o plantel, desde que todos queiram trabalhar para isso.
Meus amigos, ganhamos. Mas podíamos ter ganho por muitos mais golos e com uma exibição muito superior, coisas que só não aconteceram por culpa própria.
Mais uma vez vos comunicamos que a capacidade de treino e de qualidade de trabalho e de equipa é a base para o sucesso e sem esforço não atingimos a qualidade necessária.
Ganhamos este último jogo sem fazer uma grande exibição, contra uma equipa com muito pouca qualidade e através de um golpe de grande sorte.

“A sorte deixa sempre uma porta aberta”

Este sábado vamos jogar a Valadares contra uma equipa a precisar de pontos para sobreviver na nossa divisão e que vai dar tudo o que tem para nos ganhar.
Deixamos ao vosso critério a vontade de ganhar o jogo e de se empenharem nos treinos daqui para a frente, deixando um conselho:

“Sem trabalho não há pão na mesa”

Uma coisa vos garantimos desde já, só joga quem trabalha a sério.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Frases marcantes do futebol português que vão ficar para a História...

São frases inesquecíveis que ficarão para sempre na memória e cá vão algumas delas. Para começar tal poesia o primeiro "poeta do futebol" é o famoso comentador desportivo que entusiasmou milhares de pessoas com a sua forma majestosa de abordar cada jogo de futebol: é ele o Senhor Gabriel Alves, que para ele, futebol é a oitava arte:
Gabriel Alves

- Juskowiak a vantagem de ter duas pernas!
- É um estádio bonito, moderno, arejado..."
- "A selecção não jogou nem bem nem mal, antes pelo contrario..."
- "Reparem como os jogadores do Bayern movimentam-se descrevendo figuras geométricas....O futebol é uma arte plástica.... "
- "Existem muitos jogadores alemães a jogarem no campeonato germânico"
- "Kenneth Anderson, 1 metro e 93 de golo..."
- Joao Pinto vai centrar para o meio da confusão... mas não está lá ninguém!
- Remate rasteiro a meia altura por cima da barra!!!
- E o jogador foi atingido por um objecto lançado provavelmente por algum telespectador.
- "...neste estádio OUVE-SE UM SILÊNCIO ENSURDECEDOR..."
- Fica na retina um cheiro de bom Futebol»
- "Giggs, um jogador que remata bem do meio-campo para a frente"
- "E aí está uma enorme cavalgada de Thuram... este homem é um leão"

João Pinto ex-defesa do F.C.Porto - "Comigo, ou 'sem-migo', o Porto vai ser campeão!"
- Sim, estamos felizes porque estamos contentes
- "Não foi nada de especial, chutei com o pé que estava mais a mão!"
- "O meu coração só tem uma côr: azul e branco."
- "O meu clube estava a' beira do precipício, mas tomou a decisão correcta: Deu um passo em frente...."
Jardel - "Nestes jogos, sobe-me a NAFTALINA!..."
- " Clássico é clássico, e VICE-VERSA..."
- "O difícil, como vocês sabem, não é fácil"

Jaime Pacheco - "...Vamos jogar ao ataque, fechadinhos lá atrás..."
- "Jogar à defesa pode ser uma faca de dois legumes"
- "Querem fazer do Boavista um BODE RESPIRATÓRIO"

Jorge Jesus - o processo de NEUTRALIZAÇÃO do jogador pertence ao FORNO interno do clube.

Roger ex-jogador do Benfica - Nem que eu tivesse dois pulmões eu alcançava essa bola.

Rui Barros ex-avançado do F.C. Porto - "...Vou dar o meu melhor de mim."

Ricardo do Sporting - "Quando se leva um pontapé nas canelas ...dói mas não aleija."

Nuno Gomes
- "Nós somos humanos como as pessoas "


Derlei


- "Eu DISCONCORDO com o que você disse"

José Peseiro
- "não quero estar aqui a numerar nomes"

Barroso ex-jogador do Sporting de Braga
- "não deu para fazer mais, estou de caganeira!"

Nuno Luz reporter da SIC
- "Inácio fechou os olhos e olhou para o céu."


José Marinho jornalista da SporTV
- "Henry não é um homem...é uma manada"

Djair ex-jogador do Belenenses, quando chegou ao Estádio do Restelo em Belém
- "Tenho o maior orgulho de jogar na terra onde Cristo nasceu"

sábado, 20 de fevereiro de 2010

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Melhorou a atitude, melhorou o espírito de luta; mas no que diz respeito ao rendimento e produtividade o resultado foi praticamente o mesmo.


A equipa do Senhora da Hora entrou no jogo com o Sporting Clube de Coimbrões com algumas alterações do 11 titular relativamente ao jogo anterior com o Pedras Rubras. Objectivo rotatividade.
Este era um jogo em que a equipa queria muito ganhar visando digerir a derrota do jogo anterior.
O que é certo é que pior início era impossível e aos 5 minutos de jogo o Coimbrões já vencia por 2-0, e muito por ajuda das falhas defensivas precoces do SCSH.
Após este início explosivo do Coimbrões o jogo estagnou e equilibrou, onde foram surgindo algumas oportunidades para ambos os lados acabando por ser um tempo de jogo onde apesar de equilíbrio, a qualidade não foi propriamente uma característica primordial da partida.
Apesar de tudo o SCSH conseguiu reduzir a desvantagem para 2-1 por intermédio do avançado Carvalho. Com este golo a equipa ganhou moral e por duas ou três vezes quase conseguiu fazer a igualdade no jogo.
A poucos minutos do cair do pano da 1ª parte, o central da equipa da casa, mais uma vez, cabeceou completamente sozinho, proveniente da cobrança de um canto e ampliou o resultado para 3-1.
E assim as equipas foram para o intervalo, onde o resultado era justo sobretudo pelo facto de o Coimbrões ser uma equipa capaz de aproveitar bem as oportunidades criadas e de ser inteligente na forma como interpretou o jogo. Resolveu os lances, onde houve uma clara superioridade a nível da forma física e da maneira como estes entregavam o corpo ao jogo.

Intervalo

Na 2ª parte a equipa local entrou claramente para defender o resultado que jogava a seu favor e, sem admiração, o Senhora da Hora entrou para tentar mudar o título a história da partida.
Neste sentido o jogo foi muito fraco. Qualidade houve muito pouca, apesar de haver de ambos os guarda-redes intervenções bastante interessantes.
A 2ª parte caracteriza-se então, por ser um jogo onde o Coimbrões fez o que tinha a fazer a nível defensivo e onde a nossa equipa não teve capacidade suficiente para produzir um bom futebol, não sendo capaz de atacar com consciência. Aliás foi uma equipa que jogou muito mais com o coração do que com a cabeça e até mesmo com o “talento dos seus pés”, tornando-se incapaz de atingir o adversário.
Este tempo de jogo foi também marcado por 2 expulsões a jogadores do Sra. Hora e por um grande golo do central Batista, que estabeleceu o resultado final em 3-2.
No final da partida ainda tivemos mais uma expulsão por ingenuidade do jogador em questão, mas também de toda a equipa que não soube manter a calma e afastar-se do trio de arbitragem. Depois da asneira feita, nada vão fazer para a limpar. O mais que eles irão fazer é complicar mais um pouco como foi o caso.
Com base nisto o melhor jogador em campo do SCSH neste jogo foi o guarda-redes Ricardo que, sobretudo na 2ªparte, conseguiu fazer defesas muito bonitas, esperando assim que ele, daqui para a frente, jogue e interprete o jogo com mais confiança, com mais alegria e com mais garra; exemplo que serve para todos os outros.

Pessoal, já deu para ver que para ganhar não só é preciso mudar a nossa mentalidade sob o ponto de vista de sermos mais agressivos, mais lutadores, mais inteligentes; a abordar o jogo, mais rápidos, entre outros aspectos, como também é preciso que dêem intensidade aos treinos, que “comam” a relva a cada exercício que façam, que os 5 litros de suor dispensados sejam pouco, no fundo que tenham fé, acreditem e que percebam o verdadeiro significado do treinar bem para jogar bem.
Nunca se esqueçam daquilo que já vos dissemos num treino,
“A fadiga ultrapassa-se com garra”
“O nosso limite pode SEMPRE, ser ultrapassado.”
Mais uma coisa, divirtam-se sempre e desfrutem do futebol, dando menos valor as arbitragens injustas ou não. Corram e alcancem e encarem o jogo com o Oliveira do Douro este sábado dia 20, desta forma e não lhes dêem espaço de manobra pois eles também cá vêem para vencer, precisam dessa vitória e nós não vamos querer dar-lhes esse gostinho, gostamos de ganhar.

“As vitórias e o sucesso são fruta da vossa diversão e por isso usem bem os vossos brinquedos”

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Porque dizem que foi "inteligente"

video

No próximo treino, quero que me digam, depois de visionarem este resumo, quantos remates fizeram as 2 equipas a baliza; e porque dizem que o Ruben Micael foi um jogador "inteligente".

Quem foi "ingénuo" no lance do 2º golo do FC Porto?

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Decisão do Mundial sub 20 é ensinamento para Souza

LANCEPRESS!
O volante Souza tem sido um dos destaques do Vasco neste início de temporada. Depois de começar a temporada no banco, ele se firmou entre os onze e ganhou moral com o técnico Vágner Mancini. E para o jogador, um fato ocorrido em 2009 foi marcante para o crescimento na carreira.
Em Outubro passado, ele fazia parte da Seleção sub 20 que disputava o Mundial da categoria. Na final, o Brasil foi derrotado por Gana nos pênaltis e Souza foi um dos que desperdiçou a cobrança. Hoje, ele explica o que aquela derrota significou.
- O que eu aprendi é que nem sempre o melhor vence. Fizemos um grande jogo, fomos muito melhores, mas acabamos com o vice campeonato. Além disso, aprendi que em um jogo decisivo temos que matar o adversário assim que pudermos. Precisamos acabar com o jogo se tivermos chance - disse o camisa 14.
O jogador também analisou o fato de o Vasco ter mais tempo de preparação para a decisão, já que Flamengo e Botafogo só vão disputar a semifinal nesta quarta.
- Vamos ter vantagem em descanso e treinamento em relação a Botafogo e Flamengo. Temos de saber usar isso. Mas na hora do jogo quem estiver com mais vontade será o vencedor - concluiu Souza.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Jogo em que a equipa não só não mandou em casa como foi “escravizado” pelo adversário… O resultado diz tudo.

por Prof. João Baía

A equipa entrou no jogo pouco agressiva e aguerrida, e logo aos 5 minutos sofreu um golo protagonizado por um lance de muitas facilidades defensivas cujo as quais foram bem aproveitadas pelos avançados rápidos e muito objectivos do Pedras Rubras.
Este golo parece ter acordado a equipa do Senhora da Hora que logo ao minuto 6 restabeleceu a igualdade por intermédio do nº7 Vítor.
A partir daqui a 1ª parte foi algo disputada mas muito pela falta de qualidade do jogo com intensidade muito baixa. Apesar de tudo o Pedras Rubras, equipa visitante, conseguiu sempre ser mais objectiva, mais agressiva, mais lutadora e sobretudo mais organizada, onde o seu meio campo conseguiu durante todo o jogo ser muito superior, arriscando mesmo dizer que o meio campo do SCSH quase nem existiu neste jogo (poucas recuperações de bola, pouca transição/construção, poucas rupturas, pouca qualidade e posse de bola e pouca intensidade).
Com algumas oportunidades de golo geradas pelo SCSH pelo meio, foi mesmo o Pedras Rubras quem mais atacou e sobretudo incomodou, onde a poucos minutos do final da 1ª parte conseguiu chegar ao 2º golo com a ajuda de mais um conjunto de falhas defensivas por parte do SCSH, modificando o resultado para 1-2.
Intervalo.
As duas equipas regressaram ao relvado após os 15 minutos de paragem e um espectáculo melhor se desejava.
De facto algum espectáculo foi dado, mas os actores principais foram os jogadores do Pedras Rubras que “espicaçou” a todos os níveis de jogo a equipa do SCSH.
Neste sentido a 2ª parte foi para esquecer onde os jogadores da casa entraram ainda mais apáticos e sem qualquer fio de jogo, era uma equipa perdida em campo, e cedo o Pedras Rubras ampliou a vantagem para 1-3.
O SCSH procurou reagir e não tardou em mexer a equipa, alterando o já modificado1- 4-3-3 (1-4-4-2 na 1ª parte) para um 1-3-4-3, tentando dar o tudo por tudo.
O que é certo é que nem esta táctica extremamente ofensiva chegou para o SCSH criar perigo e a desvantagem defensiva levou o Pedras Rubras a fazer o 1-5 em 2 minutos.
O SCSH ainda conseguiu “iludir” o resultado nos últimos 15 minutos, reduzindo para 3-5 com mais um golo do melhor jogador em campo da equipa Vítor, e com a concretização de uma grande penalidade executado pelo Zé Tiago. Estes 2 golos, apesar de tudo, não foram propriamente criados por um aumento de produtividade da equipa da casa, e assim terminou o jogo.
Para colmatar, assisti-mos a um jogo fraco da nossa equipa onde quer por deficiências físicas, quer por deficiências psicológicas, e como resultado, deficiências de um todo, perdemos o jogo e bem.
Nesta jornada o melhor em campo foi o Vítor.
Mas o próximo jogo frente à equipa do Sporting Clube de Coimbrões fora, é já na 3ª Feira, dia 16 e logo temos a oportunidade de digerir esta amarga exibição onde o objectivo é dar-mos inicio a um Sporting Clube Senhora da Hora lutador, agressivo e “mágico”.
Claro que tudo isto é muito bonito de se dizer mas para isso é preciso atitude, e é por isso que é apelado aos nossos jogadores que nunca desistam, que lutem em campo, que desfrutem do jogo como ele deve ser desfrutado, isto é, com suor, sofrimento e vontade de ser mais e melhor para ganhar e que dêem o máximo todos os dias pois é esse máximo que nos vai levar longe e mais longe.
“Se para ti para jogar bem, ter prazer e lutar é preciso jogar contra os melhores, então encara cada treino e cada jogo como se de uma final se trata-se e supera tudo e todos com o teu brilho”

“Se quero progredir não devo repetir a história mas sim fazer uma história nova”
“ O mal torna os humanos unidos”

O que esperam, reajam, lutem e conquistem.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Isto é um jogador....

Independentemente da qualidade técnica e táctica, os jogadores devem (principalmente quando ganham rios de dinheiro) saber falar e ser capaz de dar uma entrevista, sem dizer barbaridades como as que se seguem

video

Por isso, continuem os estudos e não deixem de se instruir.

Até morrermos aprendemos sempre.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Polivalentes ou multifuncionais?


Da teoria à prática, os verdadeiros «mestres da táctica» são os… jogadores! .
in Planeta do Futebol, por Luis Freitas Lobo

Mudar de posição ou mudar de funções. Duas coisas diferentes que é fundamental distinguir para definir a chamada cultura táctica. Cada vez mais, os grandes jogadores devem ser multifuncionais. Tenho muitas dúvidas que devam ser polivalentes. Acho mesmo que esta ultima exigência turva-lhes o caminho em direcção ao verdadeiro «futebol táctico» de top.

Mais importante do que ter um jogador que seja central, lateral e trinco, é encontrar um jogador que saiba interpretar a mesma posição, conhecer-lhe todos os segredos, quer em qualquer sistema (4x4x2, losango ou clássico, 3x4x3, 4x3x3) ou em qualquer modelo (mais pose e circulação ou mais profundidade imediata após recuperação). Interpretar a mesma posição de formas diferentes (com funções diferentes), sem estar preso apenas a um modelo ou sistemas. A cultura táctica é isso. Para o treinador, é um alivio encontrar jogadores com essa cultura de multifuncionalidade. O polivalente é quase um jogador-orquestra que vive a saltar de pedaço em pedaço de relva sem conhecer verdadeiramente nenhum. Só os entende de uma forma, sem dar soluções diferentes aos problemas, sempre diferentes, que cada jogo coloca.

Nem todos os jogadores têm esse potencial milti-funcional. No inicio de época, é difícil trabalhar dois sistemas na mesma medida e intensidade. Por isso, Paulo Bento dizia querer mais um avançado, mas só se ele “já estive adaptado ao nosso modelo”. No fundo, sabe que se vier um avançado habituado a outro modelo (princípios) de jogo, terá de passar mais a tempo a transmitir e incutir-lhe novos hábitos no seu jogar. Se, para além disso, ele não tiver essa cultura táctica multifuncional, tal irá atrasar o nascimento de uma ideia de jogo. Este ponto é fundamental, porque o jogar de uma equipa (e de cada jogador) é um processo de construção do treinador. Ou seja, não nasce de geração espontânea. Claro que os jogadores, pela sua natureza e capacidade de dar novas respostas, dão-lhe especificidades, mas, na origem, está a ideia do treinador.

A pré-época é decisiva para operacionalizar esse jogar construído. Por isso, a importância dos jogadores multifuncionais, aqueles que, tacticamente, percebem mais facilmente diferentes construção de jogo. Mais importante do que contratar um jogador habituado a um determinado modelo de jogo, é contratar um jogador que saiba interpretar (e jogar) em diferentes modelos (e sistemas) sem perder as suas qualidades especificas. As grandes equipas são feitas de especialistas multifuncionais, nunca de polivalentes. Porque mais importante do que fazer várias posições, é fazer a mesma de formas diferentes

A táctica é o modelo de jogo em movimento, dinâmico. Nessa altura, em campo, ela já é mais dos jogadores (que a interpretam, na prática) do que do treinador (que a definiu, na teoria). Se a equipa não tem uma ideia de jogo sólida é, muitas vezes, porque embora a traga do balneário, ainda não a encontrou em campo. Numa boa equipa, os verdadeiros «mestres da táctica» são os…jogadores.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Parece tão fácil...

27 de Janeiro de 2010.
Estádio do Maracanã - Rio de Janeiro - Brasil
A nova dupla atacante do Flamengo, Vágner Love e Adriano "Imperador", faz o 3-2 contra o Americano, na 4ª jornada do Campeonato Carioca.
É uma jogada simples. Mais simples é impossivel. Agora vejam e deliciem-se com esta simplicidade. Deve ser das jogadas mais dificeis de realizar, mas a sua simplicidade e beleza são para figurar nas aulas de futebol do mundo inteiro. É um pouco daquilo que chamamos de "Futebol de Rua" que em Portugal está a desaparecer de dia para dia.

video

Parece ou não parece fácil?

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Jornada 22

Deslocação difícil ao campo de um dos candidatos assumidos à fase final Distrital.

Entramos no jogo e fomos atrás do jogo "mastigado" do Padroense. "Mastigado" porque consistia em fazer circular a bola sem muita agressividade ofensiva, mas sempre a espera da nossa desatenção para colocar a bola nas costas da nossa defesa. Algumas falhas nossas na marcação, principalmente no meio-campo, permitiu que a equipa do Padroense tivesse algum ascendente e chegasse ao golo no minuto 12.

Depois do golo, equilibramos a partida e conseguimos que a defensiva do Padroense tivesse que ter mais atenção à nossa movimentação ofensiva.

Veio o intervalo e conseguimos reequilibrar a equipa, principalmente em termos de marcação e atitude em campo. Como prémio dessas mudanças chegamos ao golo do empate. Na sequência de um canto o guarda-redes do Padroense soca a bola para a entrada da área e o Tiago Nogueira rematou para a baliza. Logo de seguida tivemos um livre a entrada da área o guarda redes faz uma defesa incompleta e o Araújo dentro da pequena área não consegue emendar para golo.

Quase de seguida o Padroense, que logo após o seu 1º golo começou a jogar em contra-ataque, bate a bola para a frente, a nossa defesa não consegue aliviar e faz o seu segundo golo. Isto foi ao minuto 66. Minuto 74, a melhor jogada de toda a partida e culminada com golo. Pimentel começa a jogada no meio campo, com um passe em profundidade desmarca o Carvalho, que do lado direito do nosso ataque efectua o cruzamento onde Tiago Nogueira no penalti remata de pronto e faz um belo golo, digno de figurar nos "Melhores do Ano".

Fomos obrigados a fazer 2 alterações por lesão, de salientar a boa prestação do Fábio Soares nesta sua primeira chamada a equipa. Quando já nada o fazia prever o Padroense chega ao golo da vitória com um jogo feito aos repelões e culminado com um "bico" para a baliza. Este golo surge ao minuto 91.

Depois foi tentar em vão chegar novamente ao golo da igualdade, mas o Padroense defendeu bem a vantagem.

O melhor jogador nesta jornada foi o Pimentel.

Fica o amargo da derrota mas, a satisfação de ter ido a casa de um candidato e coloca-lo em sentido, com receio da nossa equipa. Foi isso que se sentiu a volta do campo (era ver directores do Padroense a incentivar os seus jogadores para bater na bola para longe e de qualquer maneira).

Agora resta-nos trabalhar, para na próxima semana, em casa ganharmos o jogo ao Pedras Rubras, em nossa casa. Acredito que vamos ter uma boa moldura humana a apoiar-nos, uma vez que jogamos as 17h. Vamos ao trabalho e lembrem-se:

EM NOSSA CASA MANDAMOS NÓS!

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Notícia

Esta nota foi tirada do site do F.C. Foz, assim que a crónica do jogo estiver disponível irei também coloca-la a vossa disposição.

in www.fcfoz.pt
DEP. JUVENIL - Resumo de Sábado (30-01-2010)
...
Final da tarde hora para jogarem os juniores, com deslocação à Senhora da Hora. Jogo contra uma equipa bastante melhor classificada que a nossa, que na visita ao nosso reduto na 1ª volta, mostrou algumas fragilidades que poderiam ser exploradas neste novo confronto. Mas a verdade é que se existiu equipa com atitude em campo, foi sem duvida a do adversário. O F.C.Foz mostrou-se muito apático, sem atitude, acabando por averbar mais uma derrota por 2-0.

Rapazes onde está a fúria fozeira, está na hora de a mostrarem, levantem a cabeça, vamos em frente, com atitude, tudo ainda está ao vosso alcance.
Mais informação disponível em Futebol Juvenil onde pode acompanhar classificações, fichas de jogos, estatísticas, etc

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Diferentes, até nisto...

Como podem reparar, ser capitão de uma equipa, não significa apenas ser aquele que cumprimenta os árbitros no princípio do jogo e escolhe o campo... É um pouco mais do que isso. Deve ser um exemplo dentro e fora do campo...
Deve ser um exemplo nos jogos e nos treinos...
Deve ser um elemento influente e um suporte para os colegas nos bons e nos maus momentos...
Não pode ser só por estar a mais anos num clube (isso não chega), nem por querer muito envergar a braçadeira.
Quando queremos ser "O Capitão", as nossas primeiras palavras devem ser de incentivo ao colega e não de critíca.
Ser capitão é um pouco mais do que isso.
Assim, em baixo temos o que se está a passar no "berço do Futebol".
Até nisto são diferentes...

Amante do zagueiro John Terry quer vender história

por ESPN.com.br com agência EFE


Vanessa Perroncel, suposta amante do zagueiro John Terry, planeja vender sua história com o atual capitão da seleção inglesa a um jornal do país por aproximadamente 250 mil libras .Mãe do filho do lateral-esquerdo Wayne Bridge, companheiro de seleção e amigo de Terry, ela negocia a exclusividade dos detalhes da relação com o zagueiro do Chelsea com pelo menos seis publicações. Segundo o empresário de Perroncel, Max Clifford, a oferta mais lucrativa veio apenas 48 horas depois de os detalhes do caso virem à tona, na última sexta.
A situação de Terry, casado e com duas filhas, pode levá-lo a perder a braçadeira de capitão na Inglaterra. A federação de futebol local (FA, em inglês) divulgou nota afirmando que a decisão será do técnico italiano Fabio Capello.Já o vice-ministro de Esportes, Gerry Sutcliffe, disse que o caso de Terry com Perroncel "questiona o papel" do jogador como capitão, cargo de "mais responsabilidade". Companheiros de Bridge no Manchester City manifestaram apoio ao jogador ao mostrarem camisas com a frase "Team Bridge" ("Time Bridge", em português) por baixo do uniforme.
Terry pode ter sua história extraconjugal publicada a qualquer momento.
Na semana passada, um juiz britânico permitiu divulgar a relação do capitão da Inglaterra com Perroncel após qualificar de "injustificado" um requerimento judicial anterior que impedia à imprensa toda menção do caso.Os advogados do jogador tinham recorrido à lei britânica de direitos humanos para argumentar que o assunto era estritamente particular, e que não havia razões de interesse público que justificassem sua publicação na imprensa.Segundo o juiz, Terry tentou impedir que isso acontecesse para não prejudicar seus contratos com firmas como Samsung, Umbro e Nationwide, que levam seu rendimento anual para mais de 11 milhões de euros.A aventura do capitão inglês com a namorada de seu companheiro de seleção foi manchete em todos os jornais este fim de semana.Terry, de 29 anos, tem fama de mulherengo e, segundo alguns jornais, traiu várias vezes sua atual esposa, Toni Poole, antes do casamento, em 2007. Ironicamente, ano passado ele ganhou o prêmio de "Pai do Ano".